CODEX

CODEX é uma OBRA-PLATAFORMA manuseada por outros artistas, “os usuarios”

CODEX se constrói no tempo, por diversas obras autônomas, como se fossem “tracks”, “cenas”, “capítulos” e “manifestações” – como episódios que constroem uma série.

Cada trabalho solo é, ao mesmo tempo, dependente e autônomo, podendo ser apresentados juntos ou separadamente.

CODEX é modular.

CODEX foi subsidiado pelo Programa de Fomento à Dança para a cidade de Sao Paulo.

Imagens – Tiago Lima, Lucas Lander, Rogério Ortiz, Karin Serafin | Produção Cultural – Núcleo Corpo Rastreado

[su_row]

[su_column size=”1/2″]

CODEX SANGUE DE BARATA SHEILA RIBEIRO WAGNER SCHWARTZ

[su_slider source=”media: 834,835″ title=”no” arrows=”yes” link=”lightbox”]

É um desfile de carnaval, de moda, de sala de espera de aeroporto, de corredor polonês. É uma opera? O tempo mudou: ou é espera, ou ja passou – no aeroporto, na corporaçao do mundo. O remix da música surreal-pop de Marli e moda de Alexandre Herchcovitch, embalam essa aventura.

Em territorio alheio: o tornar-se estrangeiro na nova pesquisa de Sheila Ribeiro

[/su_column]

[su_column size=”1/2″]

CODEX MUNDO ALGODAO SHEILA RIBEIRO ALEJANDRO AHMED

[su_slider source=”media: 844,843,842″ title=”no” arrows=”yes” link=”lightbox”]
[/su_column]

[su_column size=”2/3″]

Na auto gestão da anatomia tátil – em imagem | som | movimento – o corpo das coisas, no corpo do tempo, tece um lugar de sincronias assimétricas.

Mundo Algodão.

Um desencontro preciso de engajamento e habilidade, no qual cada corpo não deixa de ser o que é para se instaurar enquanto outros. Um convite à pequenas ficções sensorias à distancia.

Desenho de Som | musica incidental – Tom Monteiro.

[/su_column]

[/su_row]

[su_row]

[su_column size=”1/2″]

CODEX OLHO DOMINANTE SHEILA RIBEIRO ALEX GUERRA

[su_slider source=”media: 848″ title=”no” autostart=”no” arrows=”yes” link=”lightbox”]

[/su_column]

[su_column size=”1/2″]

É um tratado físico no qual Sheila Ribeiro atravessa diferentes paisagens em busca do nada. Ou do nada-tudo que existe nas infinitas possibilidades de relações que o corpo estabelece no momento presente, no que se chama de o “agora”.

[/su_column]

[/su_row]